A edição de hoje da coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo traz entrevista com Daniel Filho, que já foi um dos principais executivos da TV Globo e hoje comanda a Globo Filmes. Além de comentar o sucesso de seu filme "Se eu fosse você 2", ele critica a programação atual da televisão, opinião que coincide com a publicada pelo Tevê Aberta em 9 de fevereiro: "Tudo o que está sendo apresentado ali não me interessa".

FOLHA - Você já disse que a Globo tinha que mexer na programação e afirmou que não vê mais TV.
DANIEL - Nenhum programa na televisão me atrai, nenhum. Eu não ligo a televisão. É um cansaço meu, sei lá. Nem o "Jornal Nacional" eu preciso ver mais. Eu leio jornal, a internet te bota no dia-a-dia do que está acontecendo. Não sei o que você acha. Mas eu acredito que, pela audiência que a TV tem tido, essa sensação deve ser geral. Eu vejo a audiência dos programas caindo. A TV já foi um "must" nosso e hoje não é mais. Ficou meio morninha. Não mexe mais com as pessoas, não vejo mais dizerem: "Eu preciso ver isso". Não vejo ninguém discutindo o capítulo ou o programa exibido no dia anterior. Eu vejo isso com seriados americanos.

FOLHA - A TV ficou velha?
DANIEL - Sem dúvida nenhuma. Eu não diria velha... Eu ainda estava na televisão em 1990, por aí, e já percebia que, com os canais fechados, a TV aberta iria virar o AM e a TV fechada seria o FM. Ou seja, a televisão tendia a se popularizar mais. E houve isso. Praticamente todas as famílias brasileiras têm hoje um aparelho de televisão. Então, mudou o tipo de público. Agora, é importante registrar: eu estou afastado [da TV]. Portanto, eu não sei com que público eles estão trabalhando, para quem estão falando nem para quem desejam falar.

FOLHA - Nem o "Fantástico", que ajudou a criar, você vê?
DANIEL - O "Fantástico" perdeu a dimensão há muitos anos. Perdeu. Era um programa que pertencia ao meu domingo e que foi, pelas suas matérias, pela sua estrutura, me tirando dele. Agora, eu só vou em baile em que eu queira entrar. A TV tem esse problema: você pode desligar. Então eu não quero dar a minha opinião porque eu não sei com quem eles estão falando. Eu sei que comigo eles não estão falando. Tudo o que está sendo apresentado ali não me interessa.

2 comentários:

Luciano Costa disse...

Pois é. Poderiam investir tudo na tv digital, pra trazer interatividade e quem sabe, trazer as pessoas pra frente da tv. Enquanto isso, só criticam. Brasileiro não sabe elogiar. Agora ficar esperando sem fazer nada, a tendencia é piorar mais ainda a situação da tv aberta.

Anônimo disse...

dor de cotovelo!