O Tevê Aberta questionou em abril o relacionamento de César Tralli com policiais federais. Agora, é o ministro da Justiça, Tarso Genro, quem estranha o fato de o repórter da Globo ter sido o único a acompanhar a operação Satiagraha, que prendeu ontem o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e outras 14 pessoas.

Hoje, Genro pediu a abertura de sindicância para investigar se houve desrespeito ao Manual de Instruções da Polícia Federal, que estabelece critérios para a divulgação de informações e para a gravação de imagens que exponham indevidamente pessoas presas por determinação judicial.

A jornalistas, o ministro afirmou que houve concorrência desleal na cobertura: "Recebi informações das demais empresas, nenhuma delas deveria ter recebido imagens e informações privilegiadas, o que acabou ocorrendo. Peço desculpas às empresas de comunicação que não foram comunicadas."

Em espécie de editorial, o âncora e editor-chefe do Jornal Nacional, William Bonner, defendeu a empresa [assista no vídeo acima]: "As razões que levaram a TV Globo a ser a única a acompanhar com imagens a operação da Polícia Federal foram as mesmas que a fizeram obter uma entrevista exclusiva com Ingrid Bettancourt, também na terça: trabalho árduo, credibilidade e acesso a múltiplas fontes de informação na sociedade e nas três esferas do poder público".

E continuou: "O ministro da Justiça está certo quando fala na busca pelo furo e pela informação em primeira mão. Em benefício de nossos telespectadores, nosso compromisso é exatamente este. Sobre a sindicância que será aberta, a TV Globo não se manifesta, mas antecipa (sic) apenas que fará valer sempre o que está disposto no inciso 14, do artigo 5° da Constituição: 'É assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional'."

A busca pelo furo é, sim, parte da função do jornalista e as prisões são, sim, de interesse público. Assim como também é de interesse público a maneira como um único repórter tem acesso sistemático a informações confidenciais da Polícia Federal.

Leia também
César Tralli, o repórter dos furos policiais
Paulo Henrique Amorim entra na briga Record x Globo

2 comentários:

Liz disse...

é triste ver q as pessoas preferem comentar noticia de novela e ninguem fala nada sobre um assunto tao importante. a globo tem mesmo que se explicar, pq esses furos não são de hoje.

G-zus disse...

Alguma coisa a esconder dona globo?
huahuahua
Quem não deve não teme
Mas quem deve treme
E assim continuam os privilégios "globais"...
O Sr.Bonner citou algumas das razões que levaram seu amigo Tralli
a conseguir a tal "exclusividade" na reportagem em questão.
Mas ele esqueceu a razão principal, que foi:
1º- A falta de vergonha dos policiais federais. Que belo exemplo, em?
Ah, será quanto cada um levou?
2°- Muito ético da parte do Sr.Tralli, não?
Mas esperar o que?
Vindo da emissora que veio...
E ainda mais...
Acham que tudo isso é normal e que é credibilidade, competência, e blá blá blá
Conta outra, vai...

Saudações e parabéns pelo blog