domingo, maio 18, 2008

Tudo (quase) igual, aqui e lá fora

Há quem diga que a televisão brasileira é a melhor do mundo. Basta sair do país para questionar essa afirmação. Em tempos de globalização, ligar o televisor na França, na Argentina, no Canadá, na China ou no Japão vem deixando de ser uma maneira de conhecer a cultura de cada lugar. Muda o idioma, repetem-se formatos.

O Big Brother chegou a 58 países; a Dança dos Famosos, a 33; o Aprendiz, a 24; o Show do Milhão, a mais de 23; o Supernanny, a 10; fora as cópias não-autorizadas dessas e de outras atrações. Os seriados, principalmente os criados nos Estados Unidos, também se espalham pelo globo, ocupando o espaço antes destinado à produção local.

No Brasil, as novelas são a pedra de resistência, apesar de algumas emissoras preferirem comprar tramas estrangeiras, opção mais barata, a produzir textos próprios, opção muito mais cara. Exportadas, as novelas da Globo conseguem levar um pouco do nosso comportamento a outros países. Mas quão estranho é acompanhar na Rússia histórias brasileiras?

A diversidade é bem-vinda. A unificação de conteúdo, não. Aqui ou em qualquer outro lugar, deveriam ser exaltadas a língua, o jeito e a criatividade nacional.

Na foto acima, o Aprendiz da Índia, chamado Business Baazigar.

1 comentários:

Liz disse...

concordo totalmente. esses enlatados americanos invadiram as tvs do mundo todo.