A Cultura anunciou ontem o fecha-mento de uma parceria com o Canadá para produzir quatro séries infantis de animação no Brasil. O acordo prevê que brasileiros fiquem responsáveis pela criação, direção e animação dos produtos, enquanto canadenses se concentrem no desenvolvimento do roteiro, colocação de voz em inglês, sonorização e distribuição internacional.

As primeiras produções serão Anabel, Mitos do Mondo (imagem acima), Riff e Raff e Magnitika. Cada uma terá 52 episódios de 11 minutos, ao custo de R$ 5 milhões. O trabalho começará em 2007 e será levado ao ar em 2008 — no Brasil e no Canadá. O objetivo é exportar as séries para outros países. "No mundo inteiro, as tevês têm que preencher horas e horas de programação. É enorme a necessidade de produtos infantis de qualidade", diz o coordenador de produção cinematográfica da Cultura, Ivan Isola.

:: Saiba mais sobre cada uma das séries

Anabel
Anabel é uma esperta garotinha de sete anos que adora clássicos da literatura. A cada episódio ela viaja através da história que lê. Com direção de Lancast Mota e produção de Sérgio Martinelli, a série tem como público-alvo crianças com idade entre 4 e 8 anos.

Mitos do Mondo
A série, que mistura técnicas de animação (2D, Digital Cut Out e 3D), explica de forma lúdica como o mundo funciona. Antigas civilizações, mitos e lendas de criação de todas as partes serão alguns dos temas. Mitos do Mondo é dirigida a crianças com idade entre 6 e 12 anos.

Riff e Raff
Riff e Raff é uma comédia recheada de aventura. O velho guardião do universo chega à Terra para desfrutar sua aposentadoria, mas recebe a difícil missão de cuidar de seus netos Riff e Raff. Esses dois adolescentes vão ter que aprender a ser heróis quando os vilões descobrem o paradeiro do simpático vovô. Para crianças de 7 a 12 anos.

Magnitika
A série conta a história de Meg, uma garota que vive no planeta Magnitka, onde a força eletromagnética é muito maior do que na Terra. Se sentindo sozinha, Meg envia um transmissor para o espaço, como se fosse uma mensagem de socorro numa garrafa. O transmissor cai na Terra e é achado por uma menina de 10 anos, chamada Alice. As duas se tornam grandes amigas intergalácticas. A série é indicada para crianças de 6 a 10 anos.

Com informações do Uol Televisão

1 comentários:

junio malta disse...

tomara que de tudo certo.
sucesso pra eles e pra teve brasileira