quarta-feira, agosto 06, 2008

A Favorita sobe a 46 com fim do mistério

A revelação de que Flora é a assassina de A Favorita [veja o vídeo] garantiu à novela seu recorde de audiência. Na média, registrou 46 pontos e 65% de participação nas tevês ligadas. O índice vem aumentado há algumas semanas. Na segunda-feira, já tinha atingido 45, 10 pontos a mais que o capítulo de estréia, 35.

Os números não são a maior prova de que A Favorita vai bem, e sim as discussões que vem gerando entre amigos e na internet. Aqui no Tevê Aberta e no vídeo da revelação postado pelo blog no YouTube há comentários interessantíssimos — tantos os de elogio quanto os de crítica. Estava mesmo na hora de o próprio público debater o formato.

P.S.: O blog Liberdade Digital postou uma boa pergunta: "A Flora vai matar todos do elenco que já estão escalados pra próxima novela das 21h?".

Leia também
Com Flora assassina, Favorita acaba e começa de novo
A Favorita entra em semana decisiva
João Emanuel tira o fôlego com capítulo de Favorita
Ibope: Favorita sobe; Mutantes e Pantanal caem

4 comentários:

Emílio Moreno disse...

Olá, muito obrigado pela citação. Parabéns pelo blog e pela cobertura. Venho por aqui todos os dias. Leitura obrigatória.

Emílio
Editor de conteúdo
Liberdade Digital

paula disse...

Nossa que palhaçada detestei... poderia ter uma idéia mais original... colocasse outra pessoa menos a Flora. Apelou pra voltar a audiência se não perdia os patrocínios... Que droga!

Alex Teixeira disse...

Sabe que a paula tem razão!

labarone disse...

Eu não acho. O autor teve coragem e ousadia correndo risco do público odiar por ele ter escolhido exatamente a queridinha de todos (Flora) para ser a assassina. Mais original impossível! Todos apostavam nos demais personagens. Uns em silveirinha, outros no dodi, alguns na donatela e até mesmo o gonçalo entrou na lista. Colocar flora como a assassina foi reinventar o formato tradicional das novelas e criar a polêmica que já deu certo, tanto é que existem fóruns na internet só discutindo isso. Seria joão emanuel um anarquista?